Centenas de pessoas participaram I Passeio Ciclístico de Combate ao Feminicídio
(Foto: Handson Chagas)

 

Discussões, palestras, mobilizações e ações pela reflexão sobre a violência contra mulheres e o impacto na convivência social. Esse é o foco das discussões da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio, promovida pelo Governo do Estado e que prossegue até dia 24 de novembro, com várias atividades presenciais e virtuais. Com o tema ‘Essa dor também é minha!’, o evento reúne diversas autoridades, instituições e movimentos sociais.

Neste sábado, 21, a mobilização foi durante o I Passeio Ciclístico de Combate ao Feminicídio, com saída e chegada no Golden Shopping, Calhau, a ação percorreu a Avenida Litorânea.

A semana quer fazer refletir sobre os números da violência contra a mulher, que muitas vezes termina em morte. Este ano, o Departamento de Feminicídio, da Polícia Civil, registrou 55 casos deste tipo no Maranhão. O Brasil é o quinto país de maior ocorrência desta criminalidade.

Mulheres e homens participaram do passeio (Foto: Handson Chagas)

A semana chama atenção da sociedade sobre a relação homem e mulher, para que não seja espaço de opressão e domínio, mas de afeto e diálogo, pontua a titular do Departamento de Feminicídio da Polícia Civil, delegada Wanda Moura Leite. “Boa parte destes casos são cometidos por quem teve ou estava tendo relacionamento íntimo com a mulher. Que essas agressões rotineiras sofridas pelas mulheres no relacionamento, de cunho moral, sexual, patrimonial, física, sejam evitadas ou podem acabar em feminicídio. Essa luta é de todos e que cada um reflita sobre sua responsabilidade, ajudando a mulher a denunciar e ter uma vida livre de violência”.

No encerramento da semana, dia 24, solenidade na Casa da Mulher Brasileira, no bairro Jaracati, reunirá autoridades e representantes de movimentos sociais e entidades de referência, para tratar do tema, a partir das 8h30.

A agenda prevê um ato show e apresentações culturais e artísticas, com presença de autoridades, de familiares de vítimas de feminicídio, órgãos que atuam no enfrentamento e representantes de movimentos sociais e movimento de mulheres. (Fonte/Governo do Estado)

Gostou? Compartilhe!
Share on Pinterest
Compartilhe com um amigo(a)










Enviar