As obras no Complexo Ferroviário estão sendo executadas pelo IPHAN, através de sua Superintendência no Maranhão, em parceria com Instituto Histórico e Geográfico de Caxias (IHGC) e Prefeitura Municipal de Caxias e contemplam as seguintes intervenções (Foto/Divulgação)

 

Representantes do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN), estão realizando (de ontem a hoje), visita técnica nas obras de restauração e adaptação de uso das edificações do Complexo Ferroviário do município de Caxias.

O projeto está avaliada em R$6.501.954,94 recursos provenientes do Fundo de Defesa de Diretos Difusos (FDD) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, repassados para o IPHAN através de Termo de Execução Descentralizada (TED) do BNDES com prazo de dois anos para finalização.

As obras no Complexo Ferroviário estão sendo executadas pelo IPHAN, através de sua Superintendência no Maranhão, em parceria com Instituto Histórico e Geográfico de Caxias (IHGC) e Prefeitura Municipal de Caxias e contemplam as seguintes intervenções:

Urbanização das áreas livres entre as edificações

O entorno próximo do conjunto de edificações, composto pelo antigo pátio de manobras, envolve e interliga os equipamentos existentes e definem a unidade destes elementos. O tratamento proposto procura permitir a coexistência de dois diferentes usos: a manutenção da utilização, pela ferrovia, dos trilhos que cortam este espaço e a potencialização de trechos desta área como espaço de lazer e de manifestações.

Armazém nas instalações

Foi construído para atender às necessidades de depósito de mercadorias nas instalações ferroviárias, possui forma retangular, disposto com lado maior paralelo à ferrovia, com aproximadamente 274,00m². O edifício será adaptado para o funcionamento de espaços para cursos de aperfeiçoamento técnico. Está previsto a criação de dois espaços; um destinado a cursos de informática e disciplinas ligadas a esta área e outro espaço destinado a aulas de artesanato e trabalhos manuais.

Na outra extremidade da edificação, serão implantados os espaços de apoio (instalações sanitárias, café e recepção). Sobre esta área, foi criado outro piso (mezanino), onde foram distribuídos os espaços necessários para a administração e coordenação das atividades propostas neste edifício.

Prédio de oficinas

O prédio originalmente destinado à área de oficinas e manutenção de trens é, dentro do conjunto, o que sofreu mais alterações no decorrer do tempo. Possui forma retangular, disposta com seu lado maior paralelo à linha ferroviária, com área aproximada de 1.004,50 m². A proposta é utilizar esse espaço como auditório (375 lugares, 06 vagas destinadas a cadeirantes e 02 poltronas para obesos) e salão de exposições.

A proposta apresentada pretende adequar os novos usos solicitados à edificação existente, restaurando e preservando as suas características originais. Seus vãos serão recuperados, restaurando a composição proposta para o edifício, assim como, toda a sua estrutura será mantida aparente, sendo possível a percepção de sua tipologia arquitetônica em todos os novos ambientes criados.

A distribuição do programa solicitado estabeleceu dois acessos diferenciados: o primeiro, voltado para a fachada Sul, é definido como aceso de serviço e atividades de apoio, atendendo a parte posterior do palco e camarins. O segundo, voltado para a fachada Norte, caracteriza-se como principal acesso ao interior da edificação e abre-se para o exterior interligando-se com os jardins e áreas de eventos implantadas em continuidade às atividades propostas para o Galpão.

Estação Ferroviária

O prédio da antiga Estação de Passageiros, utilizado atualmente como centro de pesquisa, sede do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias – IHGC encontra-se em bom estado de conservação e preservação. Possui tipologia arquitetônica original, de estação de passageiros de médio porte com dois pavimentos, semelhante às estações da sede dos municípios de Codó e Rosário.

Foi construída em alvenaria de tijolos cerâmicos maciços, rebocados e pintados, possui cobertura em 08 (oito) águas e recobrimento com telhas cerâmicas tipo francesa, não necessita de grandes intervenções.

Estão previstos a execução dos serviços de revisão da cobertura; recuperação das esquadrias internas e externas; recuperação de pisos; recuperação de forros; recuperação da pavimentação de calçadas externas; pintura geral; revisão das instalações elétricas; revisão das instalações hidrossanitárias; revisão das instalações telefônicas e de rede de dados; e, modernização das instalações de climatização.

Após a conclusão das obras a responsabilidade pela manutenção e gestão dos espaços ficará sob a responsabilidade e gestão do Instituto Histórico e Geográfico do município de Caxias, conjuntamente com a Prefeitura Municipal de Caxias. (Fonte/IPHAN-MA)

Gostou? Compartilhe!
Share on Pinterest
Compartilhe com um amigo(a)










Enviar